Sábado, 29 de Janeiro de 2022
21°

Poucas nuvens

São Borja - RS

Município Portal Fronteiriço

HIPÓLITO RODRIGUES (Cativo por opção)

.

21/12/2021 às 10h19
Por: Redação Fonte: Matéria escrita por Ramão Rodrigues Aguilar
Compartilhe:
 Rio Uruguai. CRÉDITO: Alvino Gomes Felício
Rio Uruguai. CRÉDITO: Alvino Gomes Felício

Ramão Rodrigues Aguilar (*)

Hipólito Zogorio na Argentina e Hipólito Rodrigues no Brasil, nascido em 09 de maio de 1916, filho de Salomi Zogorio, sendo seus avós maternos Francisco e Miguelina Zogorio, residiam em Santo Tomé, Corrientes/RA. Hipólito, quando menino veio morar com seu pai biológico no interior de São Borja, na localidade de São Marcos, onde foi, de fato, adotado por Geraldo Rodrigue, este que em 1932 o registrou como ¹filho ilegítimo recebendo o nome de Hipólito Rodrigues, no Registro Civil e Provedoria de São Borja.

Seu aspecto físico identificava sua origem guarani, ²de estatura média, reforçado. O tronco em comparação com os membros era grande e os pés e mãos pequenos. Bem nutrido e robusto, rosto largo, maças salientes, nariz achatado, olhos pequenos, encovados e feições melancólico.

Hipólito Iniciou a trabalhar ainda muito jovem, como remador e “lanchero”, habilidade que aprendeu com seu pai biológico Martim, proprietário da Lancha que levava seu nome e fazia a travessia de passageiros para o porto Argentino, em frente ao de São Marcos e descia ou subia o Rio Uruguai, transportando passageiros ou mercadorias, no início do século passado.

Hipólito, também, foi balseiro, naqueles tempos se aprendia fazer de tudo um pouco, lenhar, carnear, charquear, cozinhar, tratar da criação, lavrar a terra, plantar, caçar, pescar nem se fala e, quem sabia conduzir uma embarcação aprendia com mais facilidade trabalhar de balseiro, apesar de exigir grande habilidade, pois nesta época desciam muitas balsas de madeira pelo Rio Uruguai, tanto em toras (troncos) como já beneficiadas em pranchões. Era um trabalho temporário, somente em épocas de cheias que desciam as Balsas. “ôba! vem à enchente/Uruguai transformou/vai dar serviço pra gente”, como diz na composição musical “Balseiro do Rio Uruguai” letra de Barbosa Lessa e interpretação de Noel Guarani.

Por um bom tempo, enquanto durou a permanência do Geraldo em São Marcos, Hipólito, como remador, tinha uma tarefa diária, de pela manhã, varar o rio e do lado Argentino buscar o pão d’água quentinho ou a bolacha (calleta) para o café da família. Geraldo era Guarda Aduaneiro em São Marcos, onde se originou a relação de amizade com o Hipólito, a partir da década de 30 e